Bem-estar Social

A CNC reforça que a diretriz de um trabalho que vise o bem-estar social deve ser eminentemente educativa, contribuindo para que os indivíduos alcancem seus objetivos pessoais e desenvolvam-se plenamente

Destaque

Promoção e prevenção em Saúde

O conceito de saúde preventiva surgiu no século XX com o objetivo de ampliar as possibilidades de prevenção de doenças e promover a saúde. Prevenir o desenvolvimento de doenças é determinante para a melhoria da qualidade de vida e mitigar seus impactos na sociedade. (++) Estimativa do Ipea aponta que cada R$ 1,00 investido no setor gera retorno de R$ 1,70 ao PIB. (++) No Brasil estima-se que ocorram 66.280 novos casos de câncer de mama para cada ano do triênio de 2020-2022. Esse número corresponde a um risco estimado de 61,61 casos novos a cada 100 mil mulheres no País, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Já o número de mamografias realizadas por mulheres no Sistema Único de Saúde (SUS) no primeiro trimestre de 2021 despencou ao menor nível em dez anos (levantamento realizado em dados do DataSUS). A maior queda foi registrada nas mamografias de rastreamento de câncer, com uma queda de 26,4% no primeiro trimestre de 2021 em comparação a igual período de 2019 (antes da pandemia). Os atrasos de diagnóstico podem ocasionar uma alta no número de mulheres que descobrirão tardiamente a doença. (++) Compreendemos como prioritária a promoção da saúde integral dos indivíduos e coletividade nos diferentes ciclos de vida, atuando no controle de fatores de risco relacionados ao desenvolvimento de doenças. Reafirmamos nosso papel enquanto sujeitos transformadores para a mobilização social no que tange ao alcance dos objetivos de melhoria das condições de saúde e qualidade de vida, a exemplo da promoção da saúde da mulher, com especial atenção a temas relacionados a ações de rastreamento de câncer de mama e de colo de útero.

Cultura

Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas (2018) sobre economia criativa, cada R$ 1,00 investido em cultura gera, em média, R$ 1,59 na economia local. Além do impacto econômico positivo, o setor contribui socialmente ao estimular a participação cidadã plena e ativa, assegurando a diversidade cultural nas diferentes regiões do País, com programações que ocupam equipamentos qualificados, além de espaços alternativos, como ruas e praças, que se constituem como importantes territórios de encontros e trocas de experiências. O investimento no desenvolvimento cultural individual e coletivo por meio da garantia do direito de acesso a bens culturais é determinante para o desenvolvimento da sociedade. (++) Reiteramos a importância e o respeito à singularidade das manifestações artístico-culturais do povo brasileiro, difundidas por meio dos diferentes códigos e nas diversas modalidades, suportes e tecnologias, pautadas na valorização do artista e na difusão de manifestações que representam a pluralidade da produção artístico-cultural do País, estimulando o debate sobre temas relacionados às artes, ao patrimônio cultural e às transversalidades das sociedades contemporâneas.

População Idosa

Estudos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam que atualmente 37,7 milhões de brasileiros possuem 60 anos ou mais, o que representa quase um quinto da população do País. Dentro desse universo, 18,5% ainda trabalham e 75% contribuem com pelo menos metade da renda familiar. Dados que revelam que os indivíduos dessa faixa etária são ativos e protagonistas de seus meios sociais, com disponibilidade para participação em diversas atividades. (++) Compreendemos que, alinhados ao que preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS) para a saúde e bem-estar dessa faixa etária da população, o relacionamento com o público idoso deve se basear no reconhecimento dos direitos humanos das pessoas mais velhas e nos princípios de independência, dignidade, assistência e autorrealização estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). (++) Nesse sentido, recomendamos a promoção de atividades de acolhimento, de socialização, de intergeracionalidade e participação social, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos idosos nas suas relações com a família, comunidade e sociedade, acompanhando a mudança de perfil desse público, que atualmente remete ao conceito de envelhecimento ativo e saudável.

Lazer

No que se refere ao lazer como forma para uma vida melhor, segundo a visão da Organização Mundial do Lazer (WLO, na sigla em inglês), tal atividade tem influência positiva na organização social dos cidadãos e para a formação humana, sendo interpretado não apenas como possibilidade de atendimento às necessidades básicas dos indivíduos no tocante ao bem-estar, mas também como oportunidade de desenvolvimento pessoal. (++) Consideramos que o lazer é um direito fundamental para a sociedade, pois desempenha um papel essencial no desenvolvimento individual e comunitário, contribuindo para um estilo de vida mais saudável por meio de experiências que proporcionem descanso, diversão e convívio social para todos, seja adulto ou criança. É um instrumento de fomento à criatividade e ao desenvolvimento das relações sociais, tão fundamentais ao ambiente do trabalho, ao bem-estar e à vida.

Segurança Alimentar e Nutricional

Atualmente, quase 20 milhões de brasileiros dizem passar 24 horas ou mais sem ter o que comer e 55% da população brasileira sofre de algum tipo de insegurança alimentar, segundo estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional – Rede Penssan (dez/2020). Para que o desenvolvimento integral do indivíduo seja completo, gerando assim bem-estar social e qualidade de vida, a Segurança Alimentar e Nutricional é de suma importância, o que é reafirmado na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1848), que prevê a alimentação como direito humano fundamental à garantia da segurança e dignidade humana. No Brasil, a alimentação é considerada um direito social, tendo sido incluída na Constituição Federal. (++) Entendemos que combater a fome não é um ato de assistencialismo, mas o cumprimento de um direito que confere cidadania ao indivíduo. Por outro lado, as ações de combate ao desperdício de alimentos com excedentes de produção ou produtos fora dos padrões de comercialização colaboram para o desenvolvimento social e econômico da sociedade.