Infraestrutura

A CNC defende que o país necessita avançar sobre questões de infraestrutura que por vezes eleva o Custo Brasil, afastando investimentos e o crescimento econômico do País. Com a mesma finalidade, visa também a simplificação das exigências ambientais tanto no licenciamento, quanto na operação das atividades empresariais

Destaque

Modernização do setor elétrico

Com a evolução tecnológica, a matriz energética está cada dia mais renovável, em especial no que diz respeito às fontes eólica e solar. Com isso, o mercado regulado arca com os custos de confiabilidade e segurança do sistema e a abertura às inovações se torna vital para essa nova realidade, uma vez que há necessidade de ampliar o poder de escolha do consumidor e retirar os custos indevidos. (++) Defendemos a modernização do setor elétrico, uma vez que ela se traduz em medida positiva para o meio empresarial em geral, e atualização da legislação, para que esta se mantenha em sintonia com o mercado e suas necessidades, inclusive se mostrando pertinente ao apoiar benefícios ambientais.

Apoio à implementação de novas tecnologias

As novas tecnologias permitem o fornecimento de informações em tempo real e a identificação de tendências, bem como o aumento da produtividade e a economia de recursos. (++) Consideramos fundamental, para promoção e incentivo do desenvolvimento do País, a implementação de novas tecnologias que se revelam benéficas ao empresariado, pois agregam eficiência e agilidade às operações e aprimoram técnicas e a capacidade de monitoramento dos processos.

Modernização da estrutura de transporte

Um dos principais responsáveis pelo aumento do Custo Brasil é a obsolescência da infraestrutura de transporte de passageiros e cargas. Com raras exceções, a estrutura portuária, aeroportuária e de ferrovias encarece o processo produtivo, não atendendo às necessidades do País na busca por maior competitividade, inibindo, assim, investimentos estrangeiros voltados para a ampliação da escala produtiva no setor privado. (++) Consideramos importante que o País avance na agenda de modernização da logística de transporte de cargas e passageiros por meio da ampliação na concessão da atual estrutura, ainda excessivamente concentrada no setor público, permitindo o aprimoramento dos serviços em todos os modais de transportes.